Pequenos órgãos, grandes encrencas: o esfíncter vesical

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Todas as funções do nosso corpo, com raras exceções, são
ativadas por meio da nossa musculatura; são os músculos os
constituintes dos órgãos que executam quase todas as atividades
necessárias à vida do ser humano. Entre esses inúmeros órgãos, um
dos músculos mais sensíveis e que podem ocasionar grandes
constrangimentos ao ser humano, é o esfíncter vesical,
responsável pelo movimento de fechar e abrir a bexiga no momento
da micção. Com a idade ele tende a não funcionar bem; as mulheres
são acometidas com mais frequência devido às suas características
anatômicas e aos partos.
Numa fase inicial percebe-se escapes de urina ao menor
esforço, como tossir, espirrar ou durante exercícios físicos.
Nessa fase alguns exercícios especiais, para reforçar essa
musculatura, são bastante eficientes e costumam resolver o
problema com facilidade. Os fisioterapeutas auxiliam esse
treinamento e podem usar uma estimulação elétrica para tornar os
exercícios mais efetivos.
Mais tarde, o problema pode evoluir para urgência urinária;
ao menor sinal precisa urinar rapidamente. Começa a incomodar o
indivíduo em viagens, em locais sem um banheiro por perto e
exigem uma pequena proteção da roupa interior para não haver
acidentes desconfortáveis. Às vezes um odor desagradável pode
constranger e atrapalhar atividades sociais.
Os urologistas devem ser consultados sempre como primeira
medida. Posteriormente, os fisioterapeutas especializados podem
auxiliar com tratamentos de eletroestimulação e exercícios
adequados, tornando esse pequeno músculo mais forte e com ação
mais rápida.
Nos casos mais avançados de incontinência urinária, a urina
sai sem controle. Hoje, a medicina conta com recursos muito bons.
Além dos exercícios físicos, tratamentos fisioterápicos,

medicamentos apropriados e alguns tipos de cirurgia podem
oferecer bons resultados. Essa situação é muito traumatizante
porque tem impacto negativo na vida das pessoas, não só do ponto
de vista físico, mas também social e psicológico. A urina em
contato constante com a pele pode deixá-la vermelha, irritada ou
ferida, exigindo cuidados constantes de higiene e proteção. Além
disso, o desconforto e o mau odor ocasionam constrangimentos,
alteram a vida íntima, afetam o trabalho e a vida social,
diminuem a autoestima, impedem algumas atividades e exigem
atenção constante.
Em todas as etapas, são aconselhados os exercícios para
reforçar e fortalecer a musculatura do assoalho pélvico,
realizado em academias de ginástica e com a supervisão de
profissionais de educação física.
A experiência e alguns trabalhos de Saúde Pública têm
mostrado que os homens têm uma maior dificuldade em admitir esses
problemas e só recorrem aos profissionais e tratamentos em fases
mais avançadas, o que tende a prejudicá-los pelo agravamento da
situação.
As pessoas que procuram mais cedo auxílio profissional
tendem a ter melhores resultados e em tempo mais curto.

Você também pode gostar de: