Autoconhecimento: um dos pilares do cuidado com a nossa saude – parte III

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

O autoconhecimento mental, segundo os psicólogos, é a
capacidade de entender nossa personalidade e o que causa as
emoções que sentimos. Nós não reagimos aos eventos, nós reagimos
às emoções que esses eventos nos causam.
Conhecer-se a si mesmo traz muitos benefícios. Em geral,
segundo alguns psicólogos, quem se conhece, convive melhor
consigo mesmo, aceita com mais facilidade seus limites e
dificuldades, suas emoções e suas reações. Essa aceitação
concorre para atitudes mais coerentes, mais claramente
posicionadas e facilita a compreensão da própria essência que
nos prepara para as adversidades do dia a dia. Estes fatores
concorrem para a criação de uma personalidade mais segura,
autônoma e assertiva. A consciência de nossa identidade nos faz
sentir merecedores de nossas conquistas; nos empodera e aumenta
a nossa autoestima.
Sob o ponto de vista mental, podemos nos conhecer de forma
mais superficial observando como nos sentimos momento a momento
do nosso cotidiano. Entretanto, para nos conhecermos realmente,
como é nosso ser real, com profundidade, não é fácil. Um
psicoterapeuta é o profissional mais adequado para ajudar nesse
processo porque os fatos não são sempre muito fáceis de
interpretar.
A origem das nossas angústias, das nossas tristezas, dos
sentimentos incapacitantes e dos nossos distúrbios emocionais é
o foco a ser procurado para adequarmos o alívio dos sintomas e a
solução dos problemas. Para isso, o grande recurso é o
aprimoramento do conhecimento de nós próprios.
Algumas dicas para desenvolver o autoconhecimento:

  • Nós somos as pessoas mais adequadas para se encarregar de
    nosso cuidado; para assumir a responsabilidades por nós
    próprios. Se puder, não delegue.
  • Aproveite o banho ou alguns momentos antes de adormecer para
    examinar seu corpo, olhando-o e apalpando-o.
  • Anote os achados importantes e as datas de sua constatação.
    Reflita sobre eles e o que deve ser feito. Pergunte ou leia
    sobre o assunto e mantenha-se alerta. Verifique racionalmente se
    merecem ser explorados. Não os “jogue para debaixo do tapete”
    sem ter certeza que essa é a atitude mais apropriada.
  • Tome as iniciativas que devem ser tomadas. Não opte por
    “deixar para depois”. Procrastinar, às vezes, tem um preço alto.
  • Cultive momentos de solidão, olhe para dentro de si própria e
    analise os aspectos positivos e negativos de sua identidade.
  • Expanda seu vocabulário emocional, por meio de leituras,
    vídeos, conversas. Sem dominar as palavras é difícil elaborar os
    pensamentos.
  • Analise a opinião dos outros sobre você ou alguma coisa sua.
    Às vezes, de fora se enxerga melhor do que visto por dentro.
  • Peça ajuda para a pessoa certa, na hora certa e da forma mais
    adequada.
    Hoje o autoconhecimento é considerado um dos mais
    importantes pilares da saúde; é fundamental para a qualidade da
    nossa vida e do nosso cuidado. Vamos valorizá-lo e desenvolvê-lo
    uma vez que ele é imprescindível.

Você também pode gostar de: