Histórico de atleta e a Covid: o exercício físico fortalece o sistema imunológico?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

A pandemia causada pelo Covid-19 fez com que muitas pessoas repensassem no seu estilo de vida e começassem a incorporar exercícios físicos e uma melhor dieta na sua rotina. Que o exercício físico reduz o risco de doenças como diabetes, hipertensão e doenças cardíacas já é sabido, mas ele pode ajudar a combater patógenos?

A resposta é sim! Uma pesquisa da Universidade de Bath, da Inglaterra, que contou com dados de outros estudos das décadas de 1980 e 1990, consolida essa informação e comprova que um estilo de vida mais ativo pode ser imunoestimulador, reduzindo a incidência de doenças bacterianas e virais. O estudo concluiu que a prática de exercícios, tanto em pessoas mais jovens quanto em idosos, está relacionada a uma maior quantidade de células T naïve. Elas reconhecem e respondem a antígenos novos que nunca entraram no corpo. Sendo assim, são elas que permitem que o nosso sistema imunológico responda rapidamente a agentes estranhos.

Esses exercícios devem ser de intensidade moderada (em torno de 60% à 75% da capacidade cardiac ou VO2 máximo) e devem ter duração de 30-45min.
Isso não significa que as pessoas que praticam exercício físico moderado não fiquem doentes, apenas quer dizer que, quando essas pessoas são comparadas às pessoas sedentárias, as que praticam exercício tem uma menor frequência de contaminação, e quando ficam doentes, conseguem se recuperar de uma maneira mais rápida e com sintomas mais leves que as pessoas sedentárias.

Claro que esse efeito é o que chamamos de ‘’crônico’’, ou seja, só acontece quando a pessoa já pratica exercício físico a algum tempo. Esse tempo para a melhora na resposta imunológica vai variar de pessoa para pessoa, mas certamente não será depois da primeira semana de treinos na academia. Como em todos os aspectos envolvendo saúde, essa prática deve ser contínua e incorporado ao estilo de vida

Uma ressalva para os atletas de elite de provas extenuantes, como ultramaratonas. Logo depois da prova esses atletas podem apresentar um quadro de imunodepressão, ou seja, ficam mais suscetíveis à infecções, principalmente do trato respiratório, por causa de todo esforço e estresse ao que o corpo foi submetido. Essa é uma situação que chamamos de aguda, ou seja, momentânea, pois algumas horas depois da prova os níveis celulares do sistemas imunológicos voltam ao normal.

Portanto, no combate contra o Covid, faça exercícios físicos regularmente. Só não corra nenhuma maratona, pra não debilitar seu sistema imunológico e não aglomerar, ok?

Bons treinos

Você também pode gostar de: