Maradona, o maior jogador da história ou o maior da história?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn


O fato mais importante do meio esportivo nos últimos anos aconteceu na semana passada, a morte de Diego Armando Maradona. Para muitos, o maior jogador de futebol de todos os tempos, para outros, principalmente nós brasileiros, um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos … depois de Pelé.
Comparação que ganhou força no final do século passado quando a FIFA fez uma votação para eleger o maior jogador do século XX. Maradona foi eleito, com folga, pelo voto popular, enquanto Pelé foi eleito pela maioria de um grupo selecionado pela FIFA, justamente para impedir que o voto popular pendesse para Maradona. Os dois jogadores foram premiados…
Não são poucas as publicações especializadas em futebol no exterior que afirmam que Maradona foi o maior de todos os tempos por argumentos subjetivos, como ter sido campeão na Europa, levar a seleção Argentina para duas finais de Copa do Mundo, entre outros.
Já os que defendem a supremacia de Pelé buscam com dados estatísticos dar uma objetividade que também parece não ser convincente. Jogador com maior número de gols, três Copas do mundo conquistadas, ambidestro, número de gols com a cabeça, passes para gols etc.
Eu não pretendo e nem poderia colocar um argumento definitivo nesta discussão, mas esse debate tem outras características que me parecem mais relevante.
Em primeiro lugar Pelé sempre fez questão de ser reconhecido apenas como um jogador de futebol. Ele mesmo sempre fez questão de separar o Edson do Pelé, referindo-se a si mesmo na terceira pessoa do singular – ele, o Pelé…
Segundo e, para mim o mais importante, Pelé invariavelmente mostrou uma alienação aos temas políticos e sociais que afligem o Brasil e o mundo. Ele jamais fez críticas contundentes aos poderes políticos estabelecidos, nega participar do debate sobre o racismo estrutural no Brasil e jamais se posicionou com clareza contra qualquer forma de injustiça.
Pelé não deu voz à luta dos direitos das minorias como fizeram Maradona, Mohamad Ali e outros atletas da sua grandeza. Pelé foi omisso e nas poucas vezes que opinou foi para defender o continuísmo.
“O povo brasileiro não sabe votar”, disse ele em pleno período ditatorial quando ainda não tínhamos o direito de escolher nossos governantes.
Contrariamente, como fazem as grandes corporações que entendem que suas missões vão além de oferecer um produto ou serviço de qualidade e se posicionam cada vez mais em temas sociais delicados, Pelé – que é uma das mais importantes marcas desse século – foge da polêmica. As respostas de Pelé, quando perguntado, geralmente são rasas e resignadas. Ele geralmente passa a impressão de que, como ele se sujeitou aos insultos racistas e foi vencedor, também os seus pares devem aceitar o insulto como inevitável e calarem-se.
Portanto, Pelé embora desperte a admiração de todos sobre a sua técnica e vigor esportivo, não conseguiu atrair para si o afeto e admiração que Maradona construiu justamente por não ter medo de se expor em qualquer tema a que foi confrontado.
Concorde ou não com a visão política de Maradona, ele sempre enfrentou as classes dominantes, fez graves denúncias sobre a corrupção no meio do futebol e político, endossou as figuras nas quais acreditou e se mostrou próximo da sua gente. Maradona é amado pelos seus compatriotas e reverenciado pela maioria das pessoas que gostam do futebol fora da Argentina, até mesmo na Inglaterra.
Aqui no Brasil muitos famosos contestam o cidadão Edson Arantes do Nascimento. Certa vez o jogador Romário disse que “calado Pelé é um poeta”. O jornalista Juca Kfouri (JK), que foi muito próximo de Pelé e convenceu o então presidente Fernando Henrique Cardoso nomeá-lo para comandar a pasta do esporte, rompeu a relação de muitos anos quando percebeu que os interesses particulares de Pelé estavam acima dos interesses do esporte nacional. Pelé teve a oportunidade de reformular a CBF muito antes do FBI revelar os escândalos do futebol mundial. Não raro, JK diz que Edson traiu o Pelé em seus artigos.
Portanto, para mim, a discussão não é quem foi o maior jogador de futebol da história. Talvez Pelé mereça esse título. Entretanto, se me perguntarem quem foi o maior da história, endosso o artigo da jornalista Marília Ruiz¹, foi-se o maior de todos os tempos.
1) https://www.uol.com.br/esporte/colunas/marilia-ruiz/2020/11/25/marilia-ruiz-maradona-foi-se-o-maior-de-todos-os-tempos.htm

Você também pode gostar de: