Uma alimentação saudável ajuda a combater o Covid-19

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

O Brasil e outros países ao redor do mundo estão entrando em um momento de aumento de casos de COVID-19. E novamente o assunto “imunidade” volta a ter um foco especial.
Uma publicação recente (outubro de 2020) reforça o impacto da nutrição no nosso sistema imunológico e na resposta ao vírus. É um orgulho dizer que esta pesquisa foi realizada por brasileiros e é um compilado de estudos que foram publicados até o momento. A conclusão do artigo mostra a importância de ter e manter um bom estado nutricional visando o funcionamento adequado do nosso sistema imunológico e também mostra como o estado nutricional impacta na diminuição da gravidade das infecções pelo coronavírus, destacando a importância de manter-se bem nutrido ao longo do curso da doença.
Um bom estado nutricional vem de uma alimentação adequada, principalmente a partir de alimentos e não de suplementos artificiais.
O artigo resume e destaca a relação da resposta imunológica com os seguintes micronutrientes: Vitamina A, Vitamina E, Vitamina C, Vitamina D, Zinco, Magnésio, Selênio e Vitaminas do complexo B. Nenhum micronutriente trabalha sozinho, é o conjunto de todos que permite o fino funcionamento do nosso metabolismo.
A Vitamina A, além de ter como principal função garantir a saúde dos olhos, participa do sistema imunológico. Sem Vitamina A suficiente ficamos mais suscetíveis a qualquer infecção. É encontrada na carne de fígado, em hortaliças como a rúcula, o espinafre e a acelga, em legumes como a cenoura e a abóbora e na manga.
Prevenir doenças cardiovasculares combatendo radicais livres, retardar o envelhecimento, aliviar a fadiga e auxiliar nosso organismo no aproveitamento da Vitamina A são funções da Vitamina E. Com o foco na manutenção da imunidade, essa vitamina protege nossos glóbulos vermelhos e fortalece o sistema imune contra diversos males, inclusive os respiratórios. Encontramos a vitamina E em fontes gordurosas como abacate, nozes, castanhas e amêndoas, óleos extra-virgens como o azeite, girassol, gergelim, na linhaça, gema de ovo, peixes e verduras.
A Vitamina C é um potente antioxidante, que reduz a inflamação no nosso organismo prevenindo problemas cardíacos, desenvolvimento de tumores e reduzindo males do envelhecimento. Auxilia na cicatrização e alivia sintomas do estresse. Participa da produção de anticorpos e reduz a suscetibilidade à infecções. Por morarmos em um país tropical encontramos a Vitamina C em diversas frutas como laranja mexerica, abacaxi, limão, acerola, morango, framboesa, goiaba, kiwi, e ainda no tomate, na azedinha (PANC – planta alimentícia não convencional), folhas verdes e batata.
A Vitamina D também precisa estar adequada (entre 40 e 60 ng/mL). Para atingir esses valores consuma peixes e óleo de fígado de peixe, leite e seus derivados. Para produzi-la bastam 15 minutos de sol todos os dias, sem filtro solar, ou seja no sol entre 8h e 10h da manhã ou entre 15h e 17h da tarde. Esse micronutriente por vezes precisa de suplementação orientada por profissionais da nutrição ou médicos.
O Zinco também é um ótimo antioxidante e exerce uma papel fundamental na maturação das nossas células de defesa, sendo uma barreira para infecções Vem dos pescados e das oleaginosas como nozes e castanhas. Apesar das carnes serem fonte de Zinco, o excesso do consumo de carnes pode aumentar nossa necessidade de Zinco e pode piorar nossas dosagens desse micronutriente para ter um processo digestivo adequado.
Importante para ativação de diversas enzimas da nossa resposta imunológica, para nossa detoxificação e redução da inflamação do nosso organismo, o Magnésio é encontrado em vegetais verdes escuros (2 colheres de sopa de espinafre fornecem 30mg do mineral), cereais integrais, pipoca e queijo tofu.
O Selênio, importante na erradicação dos radicais livres, também ajuda a produzir células de defesa, reforçando nosso combate à resfriados e infecções. Atingir sua necessidade diária é muito simples, basta consumir 2 castanhas do Pará por dia. Outras fontes são as ostras, sardinha, carne de peru, trutas e carnes.
O estudo mostra ainda a importância das Vitaminas do complexo B para manter nossa imunidade inata, principalmente B3 (niacina), B6 (piridoxina), B9 (ácido fólico) e B12 (cobalamina), que são facilmente encontradas em frutas, verduras e legumes e cereais integrais, carnes, ovos, leite e seus derivados e que ao mesmo tempo são facilmente depletadas quando existe um excesso do consumo de bebidas alcoólicas.
Estar bem nutrido não nos impede de contrair o vírus porém é fundamental para a reação do nosso organismo ao vírus e para evitar maior gravidade e complicações da doença.
Endereço do artigo: https://doi.org/10.1007/s00394-020-02410-1

Você também pode gostar de: