“SÓ SOBREVIVE QUEM SE MEXE, O QUE VOCE ESTÁ ESPERANDO?”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Precursores – Como funciona isso?
Para que possamos definir a melhor estratégia para o seu negócio, quero falar primeiro dos precursores, pegando o gancho do conceito físico. No corpo humano, para uma boa produção de serotonina, que vai nos dar a sensação de bem-estar, prazer, temos que produzir o triptofano.


No caso das empresas, em primeiro lugar precisamos ter: CONFIANÇA!

No país, na empresa, no negócio, nos meus produtos! Difícil não? Desânimo? Está complicado num momento tenso e turbulento do país, mas tente isolar o que você pode controlar do que não pode, isso já vai ajudar um pouco. Envolva a equipe, seus parceiros mais próximos, sócios, família, e carregue suas baterias e energias, na busca de um futuro melhor.


Vivemos uma luta insana para manter nossos negócios, colecionamos rugas, olheiras, cabelos brancos (ou não?), mas isso tudo está no nosso retrovisor. Temos que nos esforçar para olhar pelo para-brisas da nossa nave, o que vem por aí? A pandemia foi um forte empurrão em todos, além de toda a tristeza pelas vidas perdidas, limitação do convívio social, insegurança quanto ao futuro de todos nós!

Estamos todos na mesma
tempestade (parece perfeita, no
caso do Brasil!).
Mas cada um está no seu barco,
um chacoalha mais do que o outro,
assim vamos assumir com
determinação o leme do nosso
futuro!

No gráfico acima podemos ver a queda na confiança empresarial ocorrida em março, em função da pandemia (semelhante ao que ocorre em cada crise mais severa) e na recuperação em curso (agora em outubro melhorou muito!). Nas pequenas e médias empresas a queda é mais aguda e demora mais para recuperar, o que é sabido. Elas tem maior dificuldade para obter crédito, acesso ao governo e limites orgânicos (mas que tem que ser enfrentados, “quem não é o maior tem que ser o melhor”, lembram da frase?).


O segundo precursor é ter uma CAUSA – PROPÓSITO! As pessoas querem comprar, trabalhar e interagir com organizações que tenham uma abordagem além daquela antiga e conservadora, e busquem além do lucro, objetivos comprometidos com o meio-ambiente, com a responsabilidade social (que todos temos) e com boa governança corporativa. Isso vem aparecendo mais na mídia com o conceito ESG (Environment, Social, Governance), já praticado pelo mercado financeiro, companhias abertas, grandes corporações, mas agora começa a ser exigido das demais, gradualmente. Não basta demonstrar o lucro obtido, mas também como chegamos nele, o respeito aos princípios éticos, aos valores declarados!


Um terceiro precursor é o senso de URGÊNCIA. O mundo não vai ficar esperando ninguém fazer planos estratégicos mirabolantes, demorados, para depois agir! Tem que ser feito de forma quase que simultânea, pensamos, planejamos, executamos, verificamos, ajustamos (sempre que necessário e será!) e repete de novo (estilo startup). Ouvi de um colega executivo de grande empresa, que eles estavam há 8 meses discutindo regras e políticas para o home office. Foi quando veio a pandemia em março e tudo acabou ficando definido pela força da necessidade, da urgência em levar a equipe a trabalhar de forma remota. E não é que os resultados têm sido muito bons!

Mantra para ontem , hoje e sempre: Temos que agradecer todos os dias pelos clientes que temos!
NOVA LIDERANÇA


Para levar nossas empresas ao futuro, precisamos de líderes. Todo investimento feito em Recrutamento, Seleção e Integração pelas empresas retorna multiplicado por um fator significativo. Os custos de contratação e demissão são bastante pesados no país, ainda mais numa sociedade que vem acelerando seu ritmo nos negócios, acompanhando (com certa lentidão) os líderes mundiais.

Mesclar a equipe com gente experiente (“calejados, maduros”), diversificada e com jovens cheios de energia, normalmente isso lhe dará maiores chances de colher melhores resultados, dependendo dos demais fatores, claro.


Temos que buscar maior simplicidade nos processos, acabar com a “macarronada”, típica de muitos mapas de processos organizacionais. Vamos usar a complexidade a nosso favor, simplificando para poder acelerar!
Busque lideres:
 Criativos – sem medo de errar, ousados, ágeis
 Colaborativos – que ouvem a equipe, humildes, que gostem de trabalhar em equipe
 Inovadores – pensam diferente, foco nas soluções sempre
 Destreza Operacional – flexíveis, multitarefas

Case marcante pessoal:
Quando eu ocupava o cargo de Presidente de grupo nacional industrial em S. Paulo, há alguns anos, recebi a visita de CEO de multinacional, que era nosso principal fornecedor de matéria prima, em volume e custos. Após o tradicional café e apresentações formais, ele dispara a pergunta: “O que posso fazer para que vocês vendam mais?”


Um pouco surpreso pela simplicidade e objetividade dele, refleti, pensei e aproveitei a deixa. Depois de 2 horas de boa discussão, acabamos fazendo um acordo por 90 dias, com várias ações de ambos os lados, que resultaram num aumento de vendas de cerca de 23% na linha de produtos mais interessante para nós. Eles também tiveram aumento nas vendas para nós, além de termos estabelecido uma relação ganha-ganha bem positiva (difícil mas não impossível).


Bom exemplo de humildade, aproximação na relação fornecedor-cliente, parceria de verdade, ter um projeto comum!

Nossa frase de otimismo de hoje:
“Seja qual for o seu sonho, comece! Ousadia tem genialidade, poder e magia” – Goethe


E continuemos bastante atentos! Mexam-se!!

Você também pode gostar de: