Critica ao filme musical Hamilton

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Reproduzo a seguir, a crítica sobre o filme”musical” “Hamilton” do jornalista A.O.Scott,publicada no New York Times em 30.06.2020 e a tradução do mesmo. Tradução de Diego Theumann

“The opening scenes of the filmed version of the Broadway musical “Hamilton,” which starts streaming on Disney+ on Independence Day weekend, pull you back in time to two distinct periods. The people onstage, in their and brass-buttoned coats, belong to the New York of 1776.

That’s when a 19-year-old freshly arrived from the Caribbean — the “bastard, immigrant, son of a whore” who shares his name with the show — makes his move and takes his shot, joining up with a squad of anti-British revolutionaries and eventually finding his way to George Washington’s right hand and the front of the $10 bill.

But

this Hamilton, played with relentless energy and sly charm by Lin-Manuel Miranda, who wrote the music, book and lyrics, also belongs to the New York of 2016. Filmed (by the show’s director, Thomas Kail, and the cinematographer Declan Quinn) in front of a live audience at the Richard Rodgers Theater in June of that year, the movie, while not strictly speaking a documentary, is nonetheless a document of its moment. It evokes a swirl of ideas, debates, dreams and assumptions that can feel, in the present moment, as elusive as the intrigue and
ideological sparring of the late 1700s.

“Hamilton,” which premiered at the Public Theater in early 2015 before moving to Broadway and then into every precinct of American popular culture, may be the supreme artistic expression of an Obama-era ideal of progressive, multicultural patriotism.

Casting

Black and Latino actors as the founding fathers and their allies — Daveed Diggs as Thomas Jefferson and the Marquis de Lafayette, Christopher Jackson as George Washington, and Leslie Odom Jr. As Hamilton’s mortal frenemy Aaron Burr — was much more than a gesture of inclusiveness. (Jonathan Groff channels the essential, irreducible whiteness of King George III.) The show’s argument, woven through songs that brilliantly synthesized hip-hop, show tunes and every flavor of pop, was that American history is an open book. Any of us should be able to write ourselves into it.

Alexander Hamilton, the first secretary of the Treasury and an architect of the American banking system, was Miranda’s chosen embodiment of this belief: an outsider with no money and scant connections who propelled himself into the center of the national narrative through sheer brains, talento and drive. Miranda shares some of his hero’s ambition and intelligence, and turns Hamilton into an avatar of modern American aspiration. Just like his country, he sings, he’s “young, scrappy and hungry.”

The tale of his rise fuses individual striving and collective struggle. For all his sometimes comical self-regard (he has a pickup line about “my top-notch brain”), Hamilton doesn’t measure success just in personal terms. That’s Burr’s great shortcoming: He scrambles after power and prestige without taking a risk or committing himself to a principle. But Hamilton wants to make his mark by making a difference. Self-making and nation-building are aspects of a single project.

“Hamilton” is a brilliant feat of historical imagination, which isn’t the same as a history lesson. Miranda used Ron Chernow’s dad-lit doorstop the way Shakespeare drew on Holinshed’s Chronicles — as a treasure trove of character, anecdote and dramatic raw material. One of the marvels of the show is the way it brings long-dead, legend-shrouded people to vivid and sympathetic life. The close-ups and camera movements in this version enhance the charisma of the performers, adding a dimension of intimacy that compensates for the lost electricity of thelive theatrical experience.

The glib, dandyish Jefferson is a perfect foil for Hamilton: his rival, his intellectual equal and his sometimes reluctant partner in the construction of a new political order. Though Hamilton hates it when Washington calls him son, the father of the country is also a warm, sometimes stern paternal presence in his protégé’s life. The duplicitous Burr may be the most Shakespearean figure in the pageant, a gifted man tormented and ultimately undone by his failure to make himself matter.

Not that public affairs are the only forces that move “Hamilton.” I haven’t forgotten the Schuyler sisters, who have some of the best numbers and who somewhat undermine the patriarchal, great-man tendencies inherent in this kind of undertaking. Miranda weaves the story of revolutionary and the subsequent partisan battles of the early national era into a chronicle of courtship, marriage, friendship and adultery that has its own political implications. Angelica Schuyler (the magnificente Renée Elise Goldsberry), the oldest of the three sisters, is a freethinker and a feminist constrained by the narrowness of the options available to women of her time and class. Her sister Eliza (Phillipa Soo), who marries Alexander, is saved from being reduced to a passive, suffering figure by the emotional richness of her songs.

Still, the personal and the political don’t entirely balance. “Can we get back to politics?” Jefferson demands after an especially somber episode in Hamilton’s family life, and it’s hard to keep from sharing his impatience. The biographical details are necessary to the structure and texture of the show, but it is fueled by cabinet debates and pamphlet wars, by high rhetoric and back-room dealing, by the glory and complexity of self-government.

Again: This isn’t a textbook. Liberties have been taken. Faults can be found. The problem of slavery isn’t ignored, but it has a way of slipping to the margins. Jefferson’s ownership of slaves is cited by Hamilton as a sign of bad faith (“your debts are paid because you don’t pay forlabor”), but Washington’s doesn’t  come up.

“Hamilton” is motivated, above all, by a faith in the self-correcting potential of the American experiment, by the old and noble idea that a usable past — and therefore a more perfect future — can be fashioned from a record that bristles with violence, injustice and contradiction. The optimism of this vision, filtered through a sensibility as generous as Miranda’s, is inspiring.

It’s also heartbreaking. One lesson that the past few years should have taught — or reconfirmed — is that there aren’t any good old days. We can’t go back to 1789 or 2016 or any other year to escape from the failures that plague us now. This four-year-old performance of “Hamilton,” viewed without nostalgia, feels more vital, more challenging than ever.

Its central questions — “Who lives, who dies, who tells your story?” — are staring us in the face. Its lyrics are an archive of encouragement and rebuke. Over the years, various verses have stuck in my head, but at the moment I can’t get past the parts of “One Last Time” that are taken, word for word, from Washington’s farewell address, ghostwritten by Hamilton. And I can’t escape tears when the outgoing president hymns “the sweet enjoyment of partaking, in the midst of my fellow-citizens, the benign influence of good laws under a free government.” “

TRADUÇÃO:

“As cenas iniciais da versão filmada do “musical” da Broadway “Hamilton”,a qual foi lançada via “streaming” no Canal DISNEY + no final de semana do día (4.Julho 2020) da independência dos E.E.U.U., nos leva para para dois diferentes períodos do passado. O pessoal no palco, com as suas calças bombachas e os seus casacos abotoados de latão, pertence à Nova York de 1776.É nessa época na qual um recém chegado jovem de 19 anos vindo das  Caraíbas – o “bastardo, imigrante,filho de uma prostituta” que compartilha o seu nome com o título do show – faz a sua entrada e tenta sua sorte unindo-se a um grupo de revolucionários antibritánicos, achando o seu caminho até se converter na mão direita de George Washington e na imagem impressa até hoje na nota de 10 dólares.

Mas este Hamilton, interpretado com energia implacável e charme astucioso por Lin-Manuel Miranda, quem escreveu a música, o livreto e as canções do “musical”, também pertence à Nova York de 2016 (ano da filmagem pelo diretor do show, Thomas Kail e o cineasta Decklan Quinn, durante uma representação ao vivo no teatro Richard Rogers na Broadway no mes de junho). Não é no senso estrito um documentário, porém é um documento desse momento. Evoca um remoinho de idéias, debates, sonhos e suposições que podem ser sentidos no momento atual, tão evasivo como a intriga e a luta ideológica do final do século 18.

“Hamilton”, que foi estreada no Public Theater de Nova York no começo de 2015 antes de se transferir para a Broadway  e que depois percorreu todos os cantos da cultura popular dos E.E.U.U, pode ser considerada a suprema expressão artística do ideal do patriotismo progressista e multicultural  da época do presidente Obama.

Escolher atores/atrizes negros e latinos para interpretar aos pais fundadores da república e os seus aliados – Daveed Diggs como Thomas Jefferson e como o Marqués de Lafayette, Christopher Jackson como George Washington e Leslie Owen Jr. como Aaron Burr, o falso amigo do Hamilton – foi muito mais que um gesto a favor da inclusão (Jonathan Groff transmite a essencial e irredutível “brancura” do rei Jorge III). O argumento do espetáculo, entrelaçado através de canções que de forma brilhante sintetização hip-hop, ritmos de shows e todos os “sabores” da música pop ,mostra que a história “americana” é um livro aberto. Cada um de nós (os “americanos”) deveria ser capaz de se inserir nesse livro.

Alexander Hamilton, o primeiro secretário do Tesouro dos E.E.U.U. e o arquiteto do sistema bancário norte americano, foi a escolha de Miranda para personificação desta convicção: um forasteiro sem dinheiro e escassos contactosma auto impulsionado até o centro da narrativa nacional só com a ajuda de seu excepcional cérebro, seu talento e seu empenho/ambição. Miranda compartilha uma boa parte da ambição e a inteligência do seu herói e converte Hamilton num “avatar” (identidade virtual) das aspirações “americanas” atuais. Ele canta que ,do mesmo modo que a sua patria, ele é “jovem, aguerrido e faminto”.

A estória de sua ascensão combina o esforço individual e a luta coletiva. A pesar da sua as vezes cómica autoestima(em certo momento da obra ele fala do seu “cérebro superior”),Hamilton não mede o sucesso em termos pessoais. Esse é o ponto fraco do seu falso amigo Aaron Burr: ele luta pelo poder e pelo prestígio sem se atrever a comprometer-se com algum princípio. Porém, Hamilton quer deixar a sua marca fazendo a diferença. Autocriação e construção de uma nação são simplesmente aspectos de um projeto único.

“Hamilton” é uma façanha brilhante da imaginação histórica o que não é o mesmo que uma lição de história. Miranda utilizou a excelente biografía de Ron Chernow sobre Alexander Hamilton, da mesma forma que Shakespeare usou as Holinshed Chronicles, como um tesouro de materia prima de caráter, anedotas e dramatismo. Uma das maravilhas do show é a forma como “ressuscita”  de forma vívida e simpática as personagens encobertas pelas legendas. Os “close-ups” e os movimentos da camera nesta versão realçam o carisma dos intérpretes e acrescentam uma dimensão de intimidade que compensa pela perda da “eletricidade” de uma experiênça ao vivo no teatro.

O superficial, típico dândi Jefferson é um perfeito contraponto para Hamilton: o seu rival, seu equivalente intelectual e, as vezes, o seu hesitante parceiro na construção de uma nova ordem política. Mesmo que Hamilton deteste que o Washington o chame de “meu filho”, o pai da pátria é uma presença cálida,as vezes severamente paternal, na vida do seu protegido. O hipócrita Burr provavelmente seja a figura mais “shakesperiana” no desfile de personagens, um homem atormentado e em última instância anulado pelo seu fracasso para atingir um nível de grande relevância.

 As questões públicas não são as únicas forças que jogam um papel importante em “Hamilton”. Não tenho me esquecido das irmãs Schuyler, as quais partici pam de algumas das melhores peças musicais do espetáculo e que,de certo modo, abalam as tendências patriarcais inerentes a este tipo de emprendimento. Miranda mistura a história do fermento revolucionário e os subsequentes conflitos partidarios do começo da era da nova nação, fazendo de tudo isso uma crónica de galanteio, matrimônio, amizade e adultério que têm as suas próprias implicações políticas. Angelica Schuyler (interpretada pela magnífica Renée Elise Goldsberry),a mais velha das irmãs Schuyler, é uma livre-pensadora e feminista, limitada pela estreiteza das opções a disposição das mulheres da sua época e da sua classe social. A sua imã Eliza (Philiipa Soo), que casa com Alexander, consegue evitar ser reduzida a uma figura passiva e sofrida pela riqueza emocional das suas canções.

De qualquer modo, os aspectos pessoais e os políticos não estão totalmente equilibrados. Após um episódio especialmente sombrio na vida da família Hamilton, Jefferson exige “Podemos voltar às questões políticas ?” e é difícil para o espectador não compartilhar a sua impaciência. Os detalhes biográficos são necessários para a estrutura e a consistência do espetáculo, mas se voltam um pouco exagerado pelos debates do gabinete e a guerra de panfleto, bem como pela alta retórica e acordos de bastidores e pela glória e a complexidade do auto governo.

Devo insistir: este “show” não é um manual escolar. Foram tomadas várias liberdades e podem se achar vários erros. O problema da escravidão não é ignorado, mas de certa forma fica nas márgens da obra. O fato de Jefferson ser dono de escravos é citado por Hamilton como um sinal de má fé  (“as suas dívidas são pagas porque você não têm que pagar pela mão de obra”), mas o fato de Washington também ter escravos nem sequer é mencionado.

“Hamilton” está motivada, acima de tudo, pela fé no potencial de auto correção do experimento “americano” e pela antiga e nobre idéia que um passado utilizável – e por tanto um futuro mais perfeito – pode ser modelado a partir de um “record” cheio de violência, injustiça e contradição. O otimismo desta visão, filtrada através de uma sensibilidade generosa como é a do Miranda, é realmente inspiradora.

Mas essa visão também é dolorosa. Uma lição que os últimos anos deveriam ter (meu comentário:não só aos “americanos” !) ensinado – ou  reconfirmado – que nunca existiram “os bons velhos tempos”. Não podemos voltar a 1789 ou 2016 o a qualquer outro ano para tentar escapar dos fracassos que hoje nos atormentam. Esta representação de “Hamilton” – que têm já quatro anos de “antigüidade” –  vista sem nostalgia,  se sente mais vital e mais desafiante que nunca.

As questões centrais da obra – “Quem vive, quem morre, que conta a história” – são lançadas diretamente na nossa face. As suas canções são um tesouro de encorajamento e repreensão. No decorrer dos anos, várias estrofas têm se fixado na minha cabeça, mas no momento não posso deixar de lembrar partes de “One last time” que foram tomadas literalmente do discurso de despedida de Washington (redigido pelo “ghostwriter” Alexander Hamilton). E não consigo deixar escapar lágrimas quando escuto o saliente presidente cantar “a doce alegría de partilhar, no meio dos meus concidadãos, as benignas influëncias de boas leis sob um governo livre”.

Como nota pessoal: compartilho plenamente as palavras (especialmente os tres últimos parágrafos) desta avaliação crítica do brilhante jornalista do New York Times,A.O.Scott.

Você também pode gostar de: